150 mil km2: superfície cujo desmatamento foi evitado na Amazônia e no Grande Chaco.

 

Três exemplos ilustram essa importante transformação

Durante 2013, líderes indígenas, expoentes rurais e organizações sociais monitoraram permanentemente as mudanças no caudal, no curso e na população piscícola do rio Pilcomayo. O monitoramento foi feito em campo e também através de imagens de satélites, e foi estabelecido um sistema de alerta precoce para inundações e secas. Com isso, foi possível melhorar a capacidade de preparação e resposta dos pecuaristas crioulos e povos nativos em relação à pecuária, pesca, florestas e agricultura, garantindo a segurança alimentar e evitando prejuízos econômicos. Esse modelo de gestão transfronteriça do recurso é baseado na capacidade de combinar as informações obtidas por meio dos satélites com o saber tradicional indígena e campestre sobre o comportamento do rio. O rio Pilcomayo, que atravessa a Bolívia, Paraguai e Argentina, é um dos mais instáveis do mundo devido à quantidade de sedimentos que carrega e pode provocar inundações e secas que afetam as mais de 100 comunidades indígenas que dependem dele para sua sobrevivência.

A Fundación Avina e seus parceiros contribuíram para que o estado de Caquetá, na Colômbia, estabelecesse a Comissão Florestal, que ficará encarregada de monitorar o desmatamento e criar ações para evitá-lo, além de planejar o uso do solo na região.

Por meio da coordenação entre o governo, empresários, universidades, pesquisadores, organizações da sociedade civil e indígenas, foi elaborada uma proposta para estabelecer uma comissão regional de ordenamento territorial em Caquetá. Essa é uma experiência inovadora e única no país, que foi aprovada pela Assembleia Estadual em 2013. A Presidência da República enviará recursos para contratar especialistas para planejar a gestão territorial, e os diferentes atores que monitoram o desmatamento no estado criarão uma metodologia única para colocar o planejamento em prática utilizando um único software para a região.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+