A Fundación Avina lamenta profundamente o assassinato de Berta Cáceres, defensora incansável dos direitos humanos em Honduras

 

Berta Caceres at the banks of the Gualcarque River in the Rio Blanco region of western Honduras where she, COPINH (the Council of Popular and Indigenous Organizations of Honduras) and the people of Rio Blanco have maintained a two year struggle to halt construction on the Agua Zarca Hydroelectric project, that poses grave threats to local environment, river and indigenous Lenca people from the region.

Fuente: goldmanprize.org

Na madrugada no dia 3 de março, Berta Cáceres, cofundadora e coordenadora do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH ), foi assassinada em sua residência. Os autores do crime ainda não foram identificados.

Berta Cáceres, defensora dos direitos humanos reconhecida internacionalmente por sua luta pelos direitos coletivos das comunidades indígenas Lencas, proteção de suas terras, seu meio ambiente, seu direito de acesso à água e à biodiversidade, recebeu o prêmio Goldman em 2015 por defender as comunidades indígenas que habitam as proximidades do Rio Gualarque contra o impacto negativo que poderia ser causado pela hidrelétrica de Água Zarca.

Na Avina, reiteramos que, a partir de uma perspectiva de governabilidade democrática, os direitos das populações indígenas e de seus defensores não podem ser violados. Por esse motivo, pedimos ao governo de Honduras que faça uma investigação exaustiva para que os responsáveis sejam julgados e que sejam adotadas as medidas necessárias para garantir a proteção dos defensores dos direitos humanos em Honduras e suas famílias. Da mesma forma, pedimos ao governo do México que garanta a proteção do defensor dos direitos ambientais Gustavo Castro, diretor da organização civil Otros Mundos e testemunha ocular.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+