A Plataforma Cenários Energéticos e o governo da Argentina estabelecem diálogo estratégico

 

petya-boyadzhieva-47244

Após cinco anos de funcionamento da Plataforma Cenários Energéticos na Argentina, foi criado um espaço de diálogo e debate sobre políticas energéticas com o governo do país. O acordo foi firmado por meio de um convênio de colaboração estabelecido em dezembro de 2016 pelos integrantes do Comitê Executivo da Plataforma Cenários Energéticos (do qual a Fundación Avina é membro) e o Ministério de Energia e Mineração da Argentina. A partir da criação desse espaço, os participantes da Plataforma têm a oportunidade de desenvolver e contribuir com suas visões energéticas para definir políticas energéticas de longo prazo, não apenas durante os processos de tomada de decisões, mas também em debates para seu desenvolvimento.

Em um país com deficiências frente ao crescimento da demanda energética, fez-se necessária uma ferramenta como a Plataforma Cenários Energéticos, que permitisse apresentar diferentes cenários a partir da visão de diversos setores energéticos, inclusive a visão industrial e a ambiental de maneira mais profunda.

A Fundación Avina criou a metodologia de Cenários Energéticos no Chile e a replicou posteriormente na Argentina. Desde 2011, contribuiu para o capital social e econômico desses países, liderou a iniciativa e produziu duas publicações consecutivas de diversos Cenários Energéticos para 2030 e 2035. A Fundación Avina convocou atores ambientalistas, industriais, acadêmicos e grandes consumidores do setor energético para apresentar visões energéticas de longo prazo em uma plataforma única. Isso promoveu na Argentina o primeiro debate energético público com as equipes técnicas dos candidatos à presidência em 2015.

Principais parceiros:

Argentina: Ministério de Energia e Mineração da Nação e Membros do Comitê Executivo da Plataforma Cenários Energéticos: Centro de Estudos da Atividade Regulatória Energética, Instituto Tecnológico de Buenos Aires.

País impactado: Argentina

Olhe para o Relatório Anual completo 2016 aqui.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Google+